domingo, 10 de maio de 2009

Até Quando o Barrichello vai se Conformar em ser Sempre o Segundo?



Por muito tempo eu fiquei sem assistir as corridas de fórmula 1 depois da morte prematura de Airton Senna e aos poucos eu fui voltando.
Quando o Felipe Massa começou a correr, não só eu como o Brasil inteiro via uma grande possibilidade de vivermos grandes momentos nessa categoria cheia de adrenalina, onde o Brasil sempre fêz bonito com Fittipaldi, Airton, Piquet.

Esse entuasiasmo não acontece com o Rubens Barrichello desde quando ele começou em 1993 pelo menos da minha parte.
Não tenho nada contra o mesmo, mas pra mim falta alguma coisa para a esse rapaz:Garra, sorte ou amor próprio.

Acho que já passou da hora do Rubinho parar com tanto conformismo e partir para uma definição em sua carreira, sendo o protagonista ao invés de ser o bom moço coadjuvante.
Deixando de ser o eterno segundo ou vice campeão.

Do que adianta está numa equipe competitíva se é pra servir de degrau para o principal?
Será que com o dinheiro que ele já ganhou na fórmula 1 não lhe dá autonomia pra se impor como o mais experiente piloto da categoria e exigir em contrato com tratamento igual ao outro piloto da equipe? seja ele de que país for e acabar com esse negócio de aceitar por excesso de humildade esse despretigiado posto de sombra?

Tem sido assim em toda sua carreira e ficou mais evidente na Ferrari chegando ao cúmulo da equipe mandar ele deixar o Michael Schumacher ultrapassá-lo e apesar de ser vaiado, ganhar a corrida deixando-o no seu costumeiro posto de segundo.

Embora o Rubinho não quisesse admitir de público, era nítida a preferência da equipe pelo o alemão.
A partir do momento que ele resolveu fazer algumas declarações mais diretas sobre o assunto a Ferrari colocou uma intérprete dublé de censora para inibí-lo em suas entrevistas, só não via quem não queria.

O que aconteceu nesse domingo quando a sua nova equipe da BranwGP mudando todo o breifing que era de fazer três paradas tanto ele com o Jenson Button autorizou o piloto inglês a fazer apenas duas, pegando o Barrichello de surpresa e levando-o mais uma vez ao seu mais conhecido lugar "o segundo".

Agora independente de qualquer tipo de previlégio que a equipe possa está dando ao Button, justiça seja feita, ele ganhou quatro das cinco corridas e aí é que entra a tal garra que eu falei que falta ao Rubinho.
O Brasil espera que o Rubinho levante a cabeça e enchergue essa que poderá ser a sua ultima oportunidade na Formula 1 ao invés de ficar com a cara prá cima sem querer entender o que está acontecendo.

Ao contrário dele, o Felipe massa com muita garra, tem encontrado dificuldades devido aos erros técnicos e de estratágia de sua equipe prejudicando os dois pilotos sem privilegiar ninguém.

Como disse o Rubinho em recente entrevista que deu ao Galvão Bueno, que esse seria seu ano e que teria muita chance de ganhar o campeonato porque está numa equipe competitiva.
Será que dá tempo pra mudar o seu espírito de acomodação e o seu amor próprio e nos dar essa alegria?
Acelera Rubinho!


Esse é um trecho da entevista do Rubinho Barrichello concedida ao repórter Felipe Motta da Rádio Jovem Pan, horas depois da prova realizada nesse domingo 10/05 em Barcelona.



Edigarde Rodrigues

Um comentário:

Maria Ap. da Silva disse...

Boa noite Edigarde!
Realmente vc tem razão no que diz
acho isso um absurdo ele correr e ter chance para ganhar e ser obrigado a deixar outro ganhar isso é ridículo.
Um abraço

Maria Aparecida